Rio de Janeiro, . | Economia, Estatística, História


Nunca antes na história deste país o PIB caiu tanto

Alexandre B. Cunha

Em dezembro de 2012 a então presidente Dilma Rousseff declarou que gostaria que o Brasil tivesse em 2013 um “PIBão grandão“. Esse desejo era tão forte que ela tentou a todo custo gerar o tal ‘PIBão’. Contudo, a contabilidade criativa, as pedaladas, os decretos ilegais, os incentivos fiscais e as demais artimanhas não surtiram o efeito esperado. Muito pelo contrário. O principal resultado desses truques foi gerar uma forte crise econômica.

Tendo em vista que a própria Sra. Dilma Rousseff demonstrou dar uma grande importância ao comportamento do PIB, este autor tomou a liberdade de analisar o quão grande foi o estrago causado pela repetida e desesperada busca ao ‘PIBão’. De acordo com as informações divulgadas pelo Banco Central no começo deste mês, presentemente os analistas do mercado financeiro antecipam uma retração de 3,35% neste ano. Outras pesquisas recentes (Ministério do Planejamento e CNI) também indicam um decréscimo superior a 3,3%. Suponha, de forma otimista, que em 2016 PIB decresça 3%. Combine esse último valor com a queda de 3,8% ocorrida em 2015. Conclui-se então que ao longo de 2015 e 2016 o PIB brasileiro deverá cair 6,7%. Vale ressaltar que a queda acumulada não é exatamente igual soma de 3,8% com 3% devido ao fato dessas serem taxas compostas.

Quando comparadas aos dados históricos da economia brasileira, as estatísticas apresentadas no parágrafo anterior mostram que o país vive uma crise ímpar. Desde 1901, somente em uma única ocasião ocorreram duas quedas sucessivas no PIB: 1930 (2,1%) e 31 (3,3%). A queda acumulada naqueles dois anos foi igual a 5,3%, valor inferior aos 6,7% previstos para a presente recessão.

O Brasil enfrentou recessões severas em pelo menos duas outras ocasiões. A primeira ocorreu no começo da década de oitenta. Ocorreu naquela ocasião uma forte elevação nas taxas de juros nos EUA, a qual por sua vez levou a uma alta generalizada nas taxas de juros praticadas nos mercados financeiros internacionais. Isso fez com que várias nações emergentes ficassem inadimplentes com os credores externos. O Brasil foi um desses países. O PIB brasileiro caiu 4,3% em 1981, cresceu apenas 0,8% em 1982 e retrocedeu 2,9% no ano posterior. Em 1984 a economia voltou a crescer e o país saiu da recessão. A retração acumulada do PIB no triênio 1981-82-83 foi igual a 6,3%, inferior à queda acumulada de 6,7% que o Brasil deverá atingir ao fim de 2016.

A segunda ocasião se verificou menos de dez anos depois. Em resposta a uma inflação explosiva que ultrapassou a marca de 70% mensais em fevereiro de 1990, o governo Collor adotou dois planos de estabilização. O primeiro deles foi implantado em março de 1990. Dentre outras medidas, decretou-se o bloqueio de quase todos os depósitos bancários. O segundo foi adotado em fevereiro de 1991. Esses planos fracassaram e a inflação continuou a assolar o país. A atividade econômica foi severamente afetada por esse quadro conturbado. O PIB encolheu 4,4% em 1990, cresceu 1,0% no ano seguinte e caiu 0,5% em 1992. O crescimento foi retomado em 1993. A queda total durante o período 1990-91-92 atingiu 3,8%, valor consideravelmente inferior aos 6,7% esperados para a presente crise.

O Brasil já havia se defrontado com outras crises econômicas. Dentre elas, as três mais fortes foram decorrentes de eventos externos ao país ou de fracassadas tentativas de conter a inflação. Por outro lado, a crise atual decorre única e exclusivamente dos equívocos da política econômica petista. A despeito desses fatos, o que deveria ser um ‘PIBão’ foi na verdade a maior queda na atividade econômica que o país já presenciou. Assim sendo, podemos utilizar uma das frases favoritas do ex-presidente Lula e afirmar que nunca antes na história deste país houve tamanha queda do PIB.


Atualização
O IBGE divulgou o PIB de 2016. Houve uma retração de 3,6% no ano em questão. Desta forma, a queda total no período 2015-16 foi igual a 7,3%. Ou seja, o resultado foi efetivamente pior do que o valor de 6,7% adotado no texto.
Atualização realizada em 7 de março de 2017.


notificações por email
Informe o seu endereço na caixa abaixo e clique no botão enviar para ser notificado por email sempre que um novo texto for disponibilizado no blog.


compartilhe este texto