Rio de Janeiro, . | Democracia, História, Liberdade


Descanse em paz, George

Alexandre B. Cunha

Faleceu no último dia 30 de novembro, aos 94 anos de idade, o ex-presidente dos EUA George H.W. Bush. Ele contribuiu de forma extremamente relevante para a manutenção e a expansão da liberdade e da democracia no mundo. Realiza-se neste ensaio um breve relato sobre a sua vida e as suas realizações. Adicionalmente, o leitor encontrará no final deste texto um apêndice com diversos vídeos e links sobre o tema.

George H.W. Bush nasceu no dia 12 de junho de 1924 no estado norte-americano de Massachusetts. Ele tinha dezessete anos e meio quando, em 7 de dezembro de 1941, ocorreu o ataque japonês à base naval de Pearl Harbor, o qual determinou o ingresso norte-americano na Segunda Guerra Mundial. Um dia depois de completar 18 anos, Bush se alistou voluntariamente na Marinha dos EUA. Após um período de treinamento que durou dez meses, ele se tornou um dos mais jovens pilotos da aviação naval. Durante os anos de 1943 e 1944, o futuro presidente serviu a bordo do porta-aviões San Jacinto. Nesse período, ele participou de 58 missões de combate.

George H.W. Bush sentado na cabine do seu avião durante a II Guerra. Fotógrafo: desconhecido. Fonte: Marinha dos EUA.

Foi durante a guerra que George H.W. Bush teve aquela que provavelmente foi a mais marcante experiência da sua vida. No dia 2 de setembro de 1944, ele pilotava um dos quatro aviões que decolaram do San Jacinto com a missão de bombardear as instalações japonesas na ilha de Chichi Jima. O futuro presidente tinha como tarefa destruir uma estação de rádio. Todavia, quando ele estava se aproximando do seu objetivo, a sua aeronave foi atingida pela defesa antiaérea inimiga. As asas se incendiaram e a cabine foi tomada por fumaça. Em uma impressionante demonstração de perícia e coragem, George H.W. Bush persistiu no ataque e bombardeou com sucesso o alvo que lhe fora atribuído.

Concluído o ataque, Bush conduziu a aeronave em chamas para uma distância de diversas milhas da ilha. Ainda sobre o mar, ele e um dos outros dois tripulantes que o acompanhavam conseguiram abandonar o avião. Tragicamente, o paraquedas do seu companheiro não funcionou corretamente. Assim sendo, somente o piloto teve a chance de escapar da morte. Após cair no oceano, Bush conseguiu inflar um bote salva-vidas no qual ele se abrigou. Entretanto, a corrente marítima começou a levá-lo na direção de Chichi Jima. Assim, ele se pôs a remar desesperadamente com os próprios braços na direção contrária, pois certamente seria executado caso fosse capturado pelos inimigos. Para a sua sorte, aproximadamente quatros horas após cair no mar, ele foi resgatado pelo submarino norte-americano Finback. O exato momento do resgate de Bush está documentado no vídeo abaixo.

No final de 1944 Bush foi transferido para a base de Norfolk, onde trabalhou no treinamento de aviadores navais. A rendição do Japão em agosto de 1945 marcou o término da guerra. Em setembro do mesmo ano, Bush deixou a Marinha. Em seguida, ele ingressou na Universidade de Yale, onde obteve o grau de bacharel em Economia em 1948. Após concluir os estudos, ele teve uma bem-sucedida carreira em empresas do setor petrolífero. Consequentemente, quando abandonou a iniciativa privada em 1966 para se dedicar ao serviço público, ele havia acumulado um considerável patrimônio.

Bush conheceu a sua futura esposa Barbara em um baile. Na ocasião ele tinha 17 e ela 16 anos. Eles ficaram noivos aproximadamente dezoito meses depois, um pouco antes de Bush partir para combater na II Guerra. Eles se casaram com o conflito ainda em curso em janeiro de 1945. O seu primeiro filho, o futuro presidente norte-americano George H. Bush, nasceu em julho de 1946. Em dezembro de 1949, Barbara deu a luz à segunda criança do casal, uma menina chamada Pauline Robinson. O terceiro filho, um menino, veio ao mundo em fevereiro de 1953. Pouco depois, uma terrível tragédia atingiria a família: Pauline foi diagnosticada com leucemia e terminou por falecer um pouco antes de completar quatro anos, em outubro de 1953. Posteriormente, eles teriam mais três filhos (dois rapazes e uma moça).

George e Barbara Bush permaneceram unidos por 73 anos. Eles somente se separaram em decorrência do falecimento dela, o qual ocorreu no dia 17 de abril deste ano. Após a morte da esposa, a saúde do ex-presidente entrou em declínio. De acordo com relatos publicados na imprensa dos EUA, nos seus últimos dias de vida ele se sentiu reconfortado pela ideia de que iria se reunir com Barbara e a filha Pauline.

George e Barbara Bush em dois momentos distintos: na cerimônia de casamento em 6 de janeiro de 1945 e em frente à biblioteca que leva o nome do ex-presidente em 8 de novembro de 2002. Fotógrafos: desconhecidos. Fonte: George Bush Presidential Library and Museum

Bush já participava da política pelo menos desde 1963, ano em que foi eleito presidente de um dos diretórios regionais do Partido Republicano no estado do Texas. Posteriormente, ele representou esse estado na Câmara Federal de 1967 até 1971. Em seguida, ele foi o embaixador dos EUA na ONU (1971–1973), presidente do diretório nacional do Partido Republicano (1973–1974), chefe da representação que os EUA mantinham na China Comunista (1974–1975) e presidente da CIA (1976–1977).

Em 1980, George H.W. Bush disputou, sem sucesso, a indicação do Partido Republicano para concorrer à presidência dos EUA. Ronald Reagan, o candidato selecionado pelo partido, convidou Bush para ser o seu companheiro de chapa. Desta forma, ele terminou exercendo a função de vice-presidente de 1981 até 1988. Em seguida, Bush concorreu à sucessão de Reagan e foi eleito em novembro de 1988. Consequentemente, ele foi o supremo mandatário dos EUA de janeiro 1989 até janeiro de 1992. Após a sua passagem pela Casa Branca, Bush seguiu uma tradição iniciada por George Washington (primeiro presidente dos EUA) e abandonou a política.

Presidente George H.W. Bush conversa por telefone com o chanceler alemão Helmut Kohl no dia 5 de maio de 1989. Fotógrafo: desconhecido. Fonte: George Bush Presidential Library and Museum.

Mesmo que Bush jamais tivesse sido presidente, a trajetória acima descrita seria impressionante. Todavia, foi justamente na presidência que ele prestou as suas duas maiores contribuições à liberdade e à democracia. Conforme se discute a seguir, ele teve papéis de destaque na vitória dos EUA na Guerra Fria e na libertação do Kuwait.

Antes de Ronald Reagan se tornar presidente, havia um consenso de que nem os norte-americanos nem os soviéticos poderiam vencer a Guerra Fria. Inclusive, essa visão era um dos pressupostos levados em consideração na elaboração das políticas dos Estados Unidos. Reagan mudou completamente a estratégia do seu país. Ciente de que sob o ponto de vista econômico a URSS não tinha como competir com os EUA, Ronald Reagan adotou políticas que forçaram a nação rival a expandir os seus gastos militares (por exemplo, os norte-americanos passaram a apoiar pesadamente os rebeldes afegãos que combatiam o exército soviético). Esperava-se que o ônus dessas despesas adicionais fosse pesado o suficiente para agravar os problemas econômicos da URSS. Os frutos da nova estratégia foram colhidos durante a gestão de Bush, quando a ineficiente e burocrática economia soviética entrou em colapso. Desta forma, o fim da URSS, a derrocada das tiranias socialistas da Europa Oriental e a queda do Muro de Berlim e a subsequente reunificação alemã ocorreram justamente durante o período em que George H.W. Bush estava na Casa Branca.

Pessoas no topo do Muro de Berlim perto do Portão de Brandenburg. O colapso da URSS e do socialismo na Europa Oriental ocorreu durante o período em que George H.W. Bush foi presidente dos EUA. Fotógrafa: Sue Ream. Fonte: Wikimedia Commons.

Se no caso da Guerra Fria ele essencialmente estava dando continuidade a uma estratégia elaborada pelo seu antecessor, Bush atuou de forma inconteste como o líder do mundo livre na Primeira Guerra do Golfo. Em agosto de 1990, o Iraque, à época governado pelo tirano Saddam Hussein, invadiu o Kuwait. Pelo menos dois motivos faziam com que fosse essencial libertar essa pequena nação. Primeiro, era preciso conter Saddam Hussein, pois ao assumir o controle dos poços de petróleo do Kuwait o ditador havia aumentado consideravelmente o seu poderio econômico e estaria em melhor posição para ameaçar as demais nações vizinhas e iniciar outras guerras. Segundo, era preciso deixar claro para outros tiranos que esse tipo de comportamento não seria tolerado. Felizmente, os Estados Unidos arquitetaram e lideraram uma coalização, composta por 35 países, que terminou por libertar o Kuwait em fevereiro de 1991. Vale ressaltar que a ação militar levada a cabo pela coalização foi previamente autorizada pelo Conselho de Segurança da ONU.

George H.W. Bush foi derrotado por Bill Clinton na eleição presidencial de 1992, tornando-se um dos poucos presidentes dos EUA que não teve sucesso ao tentar renovar o seu mandato. É provável que esse episódio tenha sido extremamente doloroso para Bush. Apesar disso, no seu primeiro dia no Oval Office (aposento da Casa Branca que funciona como escritório do presidente), Clinton encontrou uma cordial mensagem, escrita à mão no papel timbrado da Casa Branca, que lhe havia sido deixada pelo seu antecessor. Reproduz-se abaixo o conteúdo (traduzido para o português por este autor) da mensagem em questão.

20 de janeiro de 1993

Prezado Bill

Quando entrei nesta sala hoje eu experimentei o mesmo sentimento de admiração e respeito pelo qual fui tomado há exatamente quatro anos. Não tenho dúvidas de que você se sentirá da mesma forma.

Desejo-lhe muita felicidade aqui nesta sala. Eu jamais senti a solidão que alguns presidentes descreveram.

Haverá tempos muito duros. Eles serão ainda mais difíceis devido a críticas que você considerará injustas. Eu não sou a melhor pessoa para dar conselhos; mas não permita que os críticos o desencorajem ou façam você abandonar o curso correto.

Ao ler esta breve mensagem, você já será o nosso presidente. Desejo tudo de bom para você e para a sua família.

A partir de agora, o seu sucesso é o sucesso da nossa nação. Torcerei ferrenhamente por você.

Boa sorte,
George

Aos 18 anos, George H.W. Bush se alistou voluntariamente para lutar na Segunda Guerra Mundial. Ele foi um combatente hábil e corajoso. Posteriormente, ele abandonou uma carreira bem-sucedida na iniciativa privada para servir a sua nação em diversas funções públicas relevantes, terminando por presidir o seu país de janeiro de 1989 até janeiro de 1993. Durante a sua passagem pela Casa Branca, os EUA lideraram a libertação do Kuwait e, acima de tudo, o mundo livre finalmente venceu a Guerra Fria. Em síntese, George H.W. Bush foi um dos gigantes da causa da liberdade.

Descanse em paz, George.


notificações por email
Informe o seu endereço na caixa abaixo e clique no botão enviar para ser notificado por email sempre que um novo texto for disponibilizado no blog.



compartilhe este texto

Apêndice: vídeos e links

vídeos

links

Fotos, áudios e vídeos (George Bush Presidential Library and Museum)

‘I thought I was done’: George H.W. Bush faced death at 20 during WWII

How Barbara fell in love with George H.W. Bush, ‘the most beautiful creature I had ever laid eyes on’

Naval History and Heritage Command: Bush, George H.W.

Navy joins the nation in mourning loss of former president, sailor George H.W. Bush

George H. W. Bush Library Center

A ‘fine letter to be remembered by’: Read George H.W. Bush’s gracious letter to Bill Clinton

‘I love you, too’: George Bush’s final days

George H. W. Bush, R.I.P.