O desafio do ajuste fiscal: considerações adicionais, parte 1

Conforme discutido no artigo O desafio do ajuste fiscal, o Brasil precisa implementar um forte ajuste fiscal para que a relação entre a dívida pública e o PIB se estabilize. Argumentou-se naquele ensaio que uma estimativa otimista sugere que o ajuste fiscal em questão deve ser igual 4,42% do PIB. Apresentam-se neste breve texto algumas considerações adicionais sobre essa questão.

Ler mais.

Equilíbrio fiscal: o papel do Congresso Nacional

Artigo publicado no jornal Correio Braziliense em 17 de agosto de 2016.

O Brasil presentemente enfrenta uma das mais fortes recessões, senão a maior, da sua história. Essa crise foi causada pelas políticas econômicas que foram implantadas no final do governo Lula e magnificadas durante a gestão de Dilma Rousseff. Dentre os diversos equívocos daquelas políticas, destaca-se um legado de desarranjo nas contas públicas que colocou em xeque a solvência do estado brasileiro.

Ler mais.

O desafio do ajuste fiscal

Artigo publicado no jornal O Globo em 22 de agosto de 2016.

No dia 7 de julho o governo enviou ao Congresso um documento definindo a meta fiscal para 2017. Determinou-se que o setor público deverá ter um déficit primário equivalente a 2,09% do PIB. No mesmo documento se projeta que ao fim de 2019 a dívida pública deverá atingir o patamar de 78,7% do PIB. Vale lembrar que no final de 2013 esse indicador foi igual a 53,8%.

Ler mais.

Dilma, a destruidora

Provavelmente o Senado decidirá até o final deste mês se a Sra. Dilma Rousseff será ou não definitivamente afastada da Presidência da República. É essencial que ela não retorne ao posto. Dentre outros motivos para tanto, ela é comprovadamente incapaz de exercer de forma minimamente eficaz qualquer função gerencial. De fato, conforme será estabelecido neste breve texto, ao longo da sua vida a Sra. Dilma Rousseff construiu um incontestável histórico de incompetência.

Ler mais.

PT: um partido revolucionário

Muitos brasileiros ainda não se deram conta do caráter revolucionário do PT. Várias pessoas acreditam que tal partido está próximo daquilo que se convencionou chamar de social democracia. Para elas, é totalmente absurda a ideia de que o PT deseja acabar de vez com a economia de mercado, abolir a propriedade privada e transformar este país em uma tirania socialista. Contudo, o programa de governo que o partido adotou na eleição presidencial de 1989 prova o contrário. Lá está escrito de forma inequívoca que o objetivo final do PT consiste em implantar o socialismo no Brasil.

Ler mais.

Uma entrevista convenientemente ignorada: Lula na Playboy

A edição de julho de 1979 da versão brasileira revista Playboy continha uma entrevista com aquele que era na época um destacado líder sindical: o Sr. Lula. O conteúdo daquele depoimento é simplesmente estarrecedor. Qualquer outro político brasileiro que tivesse proferido metade das aberrações ali contidas jamais teria chegado perto do Palácio do Planalto. Este post reproduz e comenta os principais trechos da entrevista em questão.

Ler mais.

Uma tragédia esquecida: a coletivização da agricultura na União Soviética

A coletivização da agricultura na URSS foi talvez o mais trágico episódio da sangrenta história do socialismo. Aproximadamente 120 milhões de camponeses que até então eram pessoas relativamente independentes se transformaram em servos do estado soviético. Como consequência direta dessa política, seis milhões de pessoas morreram de fome durante os anos de 1932 e 33.

Ler mais.

Nunca antes na história deste país o PIB caiu tanto

Em dezembro de 2012 a então presidente Dilma Rousseff declarou que gostaria que o Brasil tivesse em 2013 um "PIBão grandão". Esse desejo era tão forte que ela tentou a todo custo gerar o tal 'PIBão'. Contudo, a contabilidade criativa, as pedaladas, os decretos ilegais, os incentivos fiscais e as demais artimanhas não surtiram o efeito esperado. Muito pelo contrário. O principal resultado desses truques foi gerar uma forte crise econômica.

Ler mais.

Quatro de julho: uma data a ser celebrada

No dia 4 de julho de 1776 foi declarada a independência das treze colônias britânicas que posteriormente deram origem aos Estados Unidos. O evento em questão é relativamente pouco discutido nas salas de aulas das escolas e universidades brasileiras e também nos textos acadêmicos e jornalísticos produzidos em nosso país. A despeito do quase total esquecimento a que os brasileiros o relegaram, esse acontecimento contribuiu de forma decisiva para todas as outras experiências democráticas que o sucederam.

Ler mais.

Cuba não está sozinha: a Coréia do Norte também exporta escravos

Analisou-se no texto Um gato escondido com o rabo de fora: escravidão no programa Mais Médicos a natureza escrava do trabalho realizado pelos médicos cubanos que estão no Brasil. Esse problema já havia sido abordado em diversos textos e reportagens na imprensa e blogs nacionais. O que talvez venha a ser uma novidade para o leitor é que Cuba não é única nação socialista a adotar tais práticas. Apesar disso raramente ser mencionado no nosso país, a Coréia do Norte procede de maneira extremamente similar.

Ler mais.

Um gato escondido com o rabo de fora: escravidão no programa Mais Médicos

Em julho de 2013, o governo petista lançou o programa Mais Médicos. O seu objetivo declarado consistia em trazer até 10 mil médicos estrangeiros para trabalhar no Brasil. Após algumas idas e vindas, o Brasil terminou por fazer um acordo com a OPAS (Organização Pan-Americana de Saúde) para contratar, em um primeiro momento, em torno de 6.600 médicos cubanos. Posteriormente o programa se expandiu, de forma que no final de 2015 aproximadamente 11.400 daqueles profissionais trabalhavam no Brasil. Vale ressaltar que a OPAS atua como uma mera intermediária, pois os cubanos jamais poderiam vir para o Brasil sem a anuência do governo dos irmãos Castro.

Ler mais.

Capitalismo e libertação do trabalho

O leitor certamente já se deparou repetidas vezes com expressões esquerdistas como alienação do trabalho, exploração capitalista, mais-valia, etc. Usualmente, as mesmas são utilizadas para nos convencer de que os trabalhadores vivem um infortúnio ilimitado sob o capitalismo. E, adivinhe, o socialismo é a poção mágica capaz de pôr fim a tamanha crueldade.

Ler mais.

Venezuela: qual será a dimensão final da tragédia?

Em fevereiro de 1999 o Sr. Hugo Chávez tomou posse na presidência da Venezuela. Eleito pelo voto popular em dezembro do ano anterior, ele imediatamente se pôs a transformar aquela que era uma das mais estáveis democracias da América Latina em uma ditadura socialista. Inicialmente, as mudanças ocorreram de forma relativamente dissimulada; apenas em janeiro de 2005 o tirano passou a declarar abertamente que o país estava a implantar o 'socialismo do século XXI'. Nicolás Maduro, que sucedeu Chávez em março de 2013, manteve as práticas e políticas do seu falecido antecessor.

Ler mais.

Se Temer fracassar o PT será necessariamente culpado

Uma conhecida tática da esquerda radical consiste em atirar um grande volume acusações contra o alvo da vez. Tendo em vista que é inviável refutar todos os ataques proferidos pela militância vermelha, há uma chance razoável de que tal campanha seja, mesmo que parcialmente, bem-sucedida em macular a reputação da pessoa ou entidade alvejada.

Ler mais.

As raízes esquerdistas da política econômica petista

Este autor recebe com relativa frequência solicitações para explicar as diferenças teóricas que fizeram com que a política econômica adotada de 2008 até o fim do primeiro mandato de Dilma Rousseff fosse tão distinta daquela que vigorou durante o governo FHC e os primeiros anos do governo Lula. Este artigo tem como objetivo proporcionar uma sucinta resposta para tal pergunta.

Ler mais.

A vodunomia petista

Definitivamente, aquilo que se convencionou chamar de 'política econômica' petista não desfruta da admiração deste autor. Testemunhei a sua implementação pelo quinteto Lula, Dilma Rousseff, Guido Mantega, Nelson Barbosa e Arno Augustin com perplexidade e repulsa similares às que um médico sentiria ao ver uma pessoa plenamente sadia ser amarrada a uma maca e passar por uma sucessão de experimentos.

Ler mais.

O salário do Bessias

O leitor certamente se recorda do episódio no qual a presidente Dilma enviou para o Sr. Lula um termo de posse antecipado que somente deveria ser utilizado em caso de 'necessidade'. Essa infame ocorrência teve como coadjuvante um mensageiro, ao qual a presidente se referiu como Bessias.

Ler mais.

Dilma, a ilegítima

Desde o início do debate sobre a deposição da presidente Dilma Rousseff, o PT e seus simpatizantes alegam que tal hipótese é absurda, pois Dilma desfrutaria da legitimidade decorrente do voto popular. Tal argumento foi utilizado pela própria presidente em agosto último, quando ela declarou que o "voto é a fonte da minha legitimidade".

Ler mais.

Primeiro post

Em seu influente livro Capitalismo e Liberdade (1962), o economista norte-americano Milton Friedman afirmou que tirania, servidão e miséria constituíam o estado mais comum na história. Ou seja, sociedades livres, democráticas e prosperas foram exceções ao longo da trajetória da humanidade.

Ler mais.